segunda-feira, 16 de julho de 2012



Hoje vivi um dia tão cheio de emoções tranquilas...digamos assim...Momentos simples, que parecem momentos normais, mas mágicos! Momentos e minutos tão cheios..cheios de emoções, de pensamentos, de sensações e de gratidão!

Mas aconteceu tudo dentro de mim, lá fora foi um dia normalíssimo.

Hoje sou uma pessoa que sabe dar valor e ser grata por estes pequenos momentos da vida que nos marcam, sou uma pessoa mais segura, que comanda a sua vida (ou quase) e que sabe o que quer e o que é importante realmente para si...mas não foi sempre assim...

Foi um caminho longo, que ainda se vai construindo, pedra sobre pedra consoante dia após dia...mas ninguém disse que seria fácil!

Há poucos anos eu estava perdida. Aos olhos dos outros tinha uma vida quase invejável, mas dentro de mim era uma infeliz e nem me dava conta.

Em algum momento que ainda não sei exactamente qual, se foi um momento ou consequência de um conjunto de experiencias entreguei a minha vida aos outros. Eu apenas andava à deriva...exactamente como um barco que perdeu os remos no meio do mar...o barco não vai ao fundo mas fica ali, ao sabor do vento, ao sabor das marés, a ser observado pelo sol, pela lua e pelos pássaros, todos passam por ele, em alguns casos até se cruzam mas em momento nenhum o barco tem o poder de decidir o caminho que quer agora tomar! E eu era assim...os outros decidiam como seria o meu amanha, o meu mes que vem, o meu próximo ano, e eu nem me apercebia! Achava que eu vivia o que eu queria, porque eu concordava. Na realidade sim, eu tinha só o que eu merecia! Eu entreguei o comando do meu navio a todos os outros e a todas as outras coisas menos a mim. Só eu não tinha acesso à torre de controlo. Alias, é tão mais fácil deixar nas mãos dos outros, não temos de tomar decisões, e podemos sempre culpar alguém quando algo não corre como desejado.

E não é fácil sair daqui. Porque primeiro que tudo é preciso perceber que não temos o código de acesso, e como passeamos com os outros na nossa própria torre de controlo porque os "outros" nos deixam lá entrar, não nos apercebemos, até aquele dia em que de repente queremos voltar atrás e entrar e damos com o nariz na porta porque está fechada e ...ups...qual é o código para entrar?...

Depois deste click passei por diversas fases e como normalmente comecei com a própria culpabilização! Mas a culpabilização não nos leva a lado nenhum, é um beco sem saída...o caminho é a responsabilização!

E é aqui que começa a mudança. Quando assumimos a responsabilidade por tudo o que deixámos acontecer dentro de nós e quando deixamos de culpar o mundo inteiro ou aquele mundo que está ali ao nosso lado, é que nos podemos começar a perdoar e perceber que dentro de nós está também o poder e a solução para voltar a colocar tudo no devido lugar, para nos sentarmos na nossa torre e colocar as mãos no leme da nossa vida. E é ali que começamos a admirar as pequenas coisas da vida, porque estamos despertos para o caminho que o nosso barco irá fazer!

Está dentro de nós...não vale a pena procurar no mar, nem achar que está em terra e eu estou num barco sem remos sem conseguir chegar a terra firme. Está dentro do barco.

Acredita...