quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

SER MAGRA É SER SAUDÁVEL?

Uma coisa é ser magra, outra coisa é ser saudável.
Uma pessoa com peso a mais pode ser considerada metabolicamente em forma e uma pessoa magra não ser saudável. Ser magra não é sinónimo de saúde e não nos livra de poder ter doenças complicadas tal como um obeso, e uma pessoa com excesso de peso pode ter valores mais saudáveis do que alguém sedentário por exemplo.

Uma modelo por exemplo pode ser magra, e não ser nada saudável. Muitas modelos não treinam, não fazem actividade física, comem mal e não ingerem os nutrientes e vitaminas que deveriam, já para não falar de vícios que muitas vezes estão associados como fumar, beber refrigerantes, etc. Ela é magra a nível de medidas mas tem uma massa gorda excessiva no seu corpo proporcionalmente ao seu tamanho e peso.

Ser saudável não está tão directamente ligado ás medidas mas mais a valores como colesterol, açúcar no sangue, tensão arterial, VO2 máximo, entre outros. São estes valores que mostram o quanto somos considerados saudáveis. E o que nos ajuda a alcançar este estado saudável é, a alimentação que pode permitir um correcto funcionamento do nosso corpo e das inúmeras funções do nosso organismo, e o exercício físico que "limpa" as nossas toxinas e nos torna mais fortes.
Ser gordo ou ter excesso de peso pode ser apenas sinónimo de armazenamento de energia a mais, energia que não é utilizada, ou seja, maior ingestão de calorias do que dispêndio das mesmas.

A gordura não é mais do que isto, energia a mais que ingerimos e não queimamos. Então, se alguém tem uma correcta alimentação mas come em excesso, vai armazenar essa quantidade a mais e aumentar de peso. Se eu comer kilos de carne branca, peixe grelhado, abacate e nozes diariamente vou de certeza engordar, mas de uma forma mais saudável do que se engordasse com fast food e serei mais saudável do que a tal modelo que vos falei.
A questão é que normalmente o excesso de peso na maioria das pessoas, está relacionado com uma incorrecta alimentação.
É aqui que percebemos que o tamanho e a balança não significam que se é mais saudável do que ninguém, mas é sim a qualidade do que comemos e a actividade física que nos podem ajudar a estar mais em forma.