quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

QUAL É O TEU PADRÃO?

Já repararam que na nossa vida parece que há um "padrão" que constantemente se repete? Parece que determinadas coisas, por mais voltas que demos, acabam sempre por voltar a acontecer! Alguém que não consegue que uma relação dê certo e escolhe sempre o mesmo tipo de pessoa, ou um sentimento constante de ser colocada de parte, ou sempre o mesmo tipo de patrão chato,...Mas será que é apenas azar? Ou será que somos nós que interiormente, temos sempre o mesmo tipo de comportamento, o mesmo modo de pensar por estarmos "á defesa", por protecção de algo que vivemos no passado? Será que na hora da verdade reagimos e temos o mesmo tipo de atitudes anteriores? um padrão de comportamento?!

Ser por exemplo uma pessoa que vive momentos de grande ansiedade, com medo de que aquilo que está bem acabe de um momento para o outro, o não saber como vai ser se perdermos o que temos, a ansiedade daquela data que nunca mais chega...limita essa pessoa não só a não saber apreciar o momento e as pequenas coisas da vida, a apreciar o que tem de tão bom, por estar só preocupado em saber o que fazer se perder aquilo que tem de bom! Faz sentido? No fim de mais um dia, com a cabeça na almofada, em vez de pensar no que foi conquistado nessas 24 horas, no que de bom se viveu, em tudo o que correu bem, pensar em como vai ser o amanhã e o que não se conseguiu fazer hoje!

Na realidade esta ansiedade vem de coisas passadas, de medos e de experiências negativas! E este comportamento pode ser repetitivo, porque sempre que perdermos algo vamos sentir que "sabíamos que isto ía acontecer"...e porque no futuro uma vez mais não vamos aproveitar o momento mas vamos sim ter de novo aquela sensação de impotência e ânsia por não poder controlar o futuro! Mas a realidade é esta...em tudo na nossa vida. Não podemos controlar o futuro! E não podemos evitar não sentir... Talvez então seja bem melhor viver sempre no máximo da gratidão e na esperança de que corra tudo bem, mas vivendo o presente, saboreando o que temos hoje e agora, e entregarmo-nos a tudo de forma espontânea! Pois pode não correr bem, mas também te podes surpreender...

Procura qual o teu "padrão", qual o teu diálogo interior, qual é a história que estás sempre a recriar na tua mente? e procura melhorá-lo!